As microempresas e a pseudo-vontade de aderir os padrões.

Acredito que a grande maioria de vocês, senão todos vocês, começaram de baixo, em uma empresa pequena, com poucos funcionários porém lutadora.

De todas as pequenas que trabalhei, lembro-me que a Web 2.0 era (e ainda é) utilizada como uma forma de atrair e conseguir clientes, era Web 2.0 aqui, Web 2.0 lá, os donos das empresas utilizavam o termo, mais nem sabiam ao certo, que ele queria dizer, eles só sabiam que isso estava atraindo a curiosidade dos clientes e eles depositavam as suas esperanças nessa tal de Web 2.0 (na época) a Web 2.0 já estava sendo muito bem falada, estruturada e aplicada por algumas grandes empresas que possuíam uma boa organização e principalmente maturidade.

Era mais ou menos igual aquela propaganda da escova de dentes com o limpador de línguas: – Quando crescer, vou querer ser como você.

Tudo bem, admirar não faz mal a ninguém, mas a maioria das empresas acabavam dando um passo maior que as pernas para poder logo sair contando para os clientes que podem desenvolver sistemas utilizando os conceitos que a Web 2.0 trazia.

A Mudança

Toda empresa esta familiarizada principalmente os lideres a desenvolver sites da forma tradicional, abrir um editor WYSIWYG (Ex: Dreamweaver) e sair criando tabelas, inserindo as imagens do layout, os textos etc, sem nem olhar o que esta sendo criado por trás. Este era o cenário a anos atrás.

São poucas as microempresas que possuem maturidade o suficiente para entender o passo que é começar a desenvolver utilizando conceitos da Web 2.0.

O cronograma aumenta, mais processos no ciclo de vida do projeto são acrescentados, pessoas precisam ser contratadas (dependendo do caso), documentação aumenta, o paradigma do desenvolvimento fica mais complexo e detalhado…tudo aumenta.

Toda essa adição de pessoas, processos e complexibilidade é consecutivamente convertida em mais despesas e mais tempo aplicado a um único projeto. As micros querem isso? na visão deles é Web 2.0 pra todos os lados na cabeça do cliente, e o melhor, sem adição no custo, e no prazo.

Quem apanha no final?

O coitado do programador que tem que fazer milagres em um curto intervalo de tempo, o coitado do cliente, que só queria o site dele prontinho em Web 2.0.
Mas quem toma o maior prejuízo no final, é a própria empresa que acaba tendo que gastar muito mais do que o vendido para o cliente, principalmente para correção de bugs e melhorias de processos que não ficou como o cliente esperava ou de acordo com a realidade da empresa.
Resultado: O Cliente fica insatisfeito, desiludido com essa tal de Web 2.0, nunca mais volta a ser cliente da empresa, fala mal de você para toda a direção da empresa e dependendo do desgaste até para a família.

A Web 2.0 trás conceitos inovadores que podem tornar uma pequena empresa, em uma grande empresa criadora de soluções e ideias. Mas toda essa força e os seus “benefícios” pode se virar contra a própria empresa e contra o seu próprio usuário, se a empresa não possui um processo sólido, com foco principalmente, no ciclo de vida de um projeto.

Para quem já trabalhou em uma pequena empresa, na época do boom empresarial em prol da Web 2.0, sabe o que eu estou falando.

Claro, que este cenário hoje já esta mudando muito, mas o velho ditado diz: Antes de melhorar, vai piorar…muito!

Tem empresas que aprendem na prática, outras aprendem na teoria para apanhar menos na prática ou caem naquilo que eu falei anteriormente, contratar mais pessoas!
Aplicar os conceitos da Web 2.0 nos seus projetos é uma questão de puro planejamento e estratégia se você entrar nessa só por entrar e ficar com um pé na web 2.0 e outro na 1.0 isso só vai fazer a sua empresa afundar e se comprometer cada dia mais com seus clientes.

Esta é uma visão minha, baseando-se em todas as pequenas empresas que eu trabalhei, se alguém possui um ponto de vista diferente e queira compartilhar, por favor, os comentários são abertos e muito bem aceitos.

Espero ter contribuído!
[]’s

Posts Relacionados:

Web Standards vs. Projeto em dia

Principalmente nas micro-empresas este é um dilema muito comum e recorrente na cabeça dos pobres desenvolvedores.

Muitas vezes o fator web standards nem é um pré requisito no projeto, acontece que a grande maioria dos programadores que entendem a essência dos Web Standards, gostam e sabem, o motivo da utilização dos padrões no projeto.

O grande problema surge, quando o cliente pede algo “lunar” e nós, desenvolvedores temos que entrar no mundo highlander do cliente e desenvolver soluções a altura.

Acontece que, geralmente, soluções mirabolantes requerem implementações mirabolantes, consecutivamente, o nível de manipulação do documento XHTML por meio de Javascript é alto e muitas informações são expostas na marcação HTML, para que o JavaScript possa se guiar.

Tenho certeza que de todos os meus leitores, pelo menos um! vai se identificar com um caso parecido.

O grande pensamento vem a cabeça:

– O sistema não esta validando, e agora? eu só consigo implementar esta solução desta forma, não consegui pensar em outra forma de implementar, e fazer com que meu código consiga se guiar de maneira eficiente, para manipular este documento.

– Perco mais 1, ou 3 dias pensando em uma nova solução somente para implementar esta solução sob o plano B ou deixo este erro de validação passar e sigo em frente com o cronograma?

Caros amigos, não se desesperem. Já se foi o tempo onde os programadores eram neuróticos por validação.

Isso já cansou de ser dito: – Validar o seu código pela W3C nada mais é do que verificar se o seu código esta “gramaticalmente” escrita de maneira correta, ele estar validado não garante que o seu código será renderizado da mesma forma em outros navegadores.

E entramos no dilêma da guerra dos browsers. Você segue os padrões, mas o browser do seu cliente não, e ai? o que acontece depois ? …

Se você se preocupa com os padrões, ótimo!, Deve!

Colocar em risco o ciclo de vida do projeto por causa de um erro de validação não compensa para você nem para sua empresa, pode ter certeza que se você tiver somente este erro, o seu site/sistema não vai se comprometer ou deixar a desejar para o seu cliente.

Pense muito bem na hora de fazer esta decisão. Se você tem um código 100% validado, ótimo! se você tem próximo a 95% validado, ótimo também!

A grande sacada deste texto é mostrar pra vocês que foi se o tempo onde as pessoas eram loucas e fissuradas pelo validador da W3C. O validador deve ser somente ser usado como parâmetro para verificar a sintaxe do seu código XHTML, muitas coisas podem passar despercebido na correria do desenvolvimento, da mesma forma que muitas coisas podem ser corrigidas sem comprometer o andamento do projeto com a “ajuda” do validador.

Use o validador como uma ferramenta aliada e não como uma ferramenta inimiga.

O W3C é uma organização que documenta “recomendações” e não “obrigações”, existe as recomendações que são extremamente fundamentais para a renderização e comportamento correto em diferentes plataformas, porém, temos que ter um meio termo para tudo.

Links

Espero ter contribuído!
[]’s

Posts Relacionados:

Aumente as chances do seu projeto/site dar certo

O trabalho de concepção e amadurecimento de uma idéia é uma tarefa complicada. Todos os dias converso com profissionais do ramo de Internet e falamos sobre muitas idéias. Todas envolvem dinheiro, seja de forma direta ou indireta.

O que é muito comum ser dito nesses grupos é sobre como ganhar dinheiro através de programas de afiliados como Google AdSense, Hotwords, Text Link Adst, UOL Links Patrocinados etc.

Hoje eu não vou falar sobre como otimizar seus ganhos nestes programas, pois acredito que na própria internet, possuem muitos e muitos artigos falando sobre isso, não vale a pena ficar “duplicando” o que é dito por ai tão incansavelmente.

Cuidado com o dinheiro

Quando vamos elaborar uma idéia é muito comum pensarmos em dinheiro, é comum, e algo muito maligno para o futuro e sobrevivência do seu projeto. Devemos pensar, claro, porém, pensar só nisso, vai acabar te cegando para outros pontos importantes que vão além do que só encher o bolso de dinheiro.

Deixe o fator “ganhar dinheiro” para último plano, amadureça a sua idéia todos os dias, anote tudo, não deixe nada escapar, e em último plano, pense em como trazer um retorno para você utilizando tudo o que você planejou de forma sadia, ou seja, de forma que o seu sistema, o seu planejamento, irá te sustentar a longo prazo, sustentabilidade.

Dando forma a idéia

Devo ressaltar, que não é meu objetivo ensina-lo como “documentar” a sua idéia, meu objetivo é te ajudar COMO você deve pensar para que o seu projeto dê certo ou ao menos aumente as chances dele dar certo.

Certifique-se de que você, com sua experiência, consiga garantir longevidade ao seu projeto, o sucesso de um projeto, esta diretamente ligado a sua continuidade e não apenas o seu começo, ser hype esta completamente fora de questão. Não adianta começar algo e não saber como dar continuidade ao que começou.

Não seja hype, seja original.

Ser hype tem seus próis e contras, quem acompanha a blogosfera já viu o que tem de blogs por ai que vivem de hypes para poder ganhar dinheiro a curto prazo. Para quem não sabe o que é hype, vou te dar um exemplo:  Cicarelli, já sabe até do que eu estou falando né? Agora tente imaginar a quantidade de dinheiro que os blogueiros e sites que vivem de hypes ganharam com este acontecimento? Postando os videos, fotos e fakes em seus sites? Então, isso é uma hype, porém, o objetivo é manter uma renda, tirarmos da abstração uma idéia e torna-la sustentável.

A volta é o mais importante.

Esta talvez seja a parte mais importante no processo de amadurecimento de uma idéia, é muito comum, ver uma pessoa entusiasmada falando de um projeto, que você sabe que é legal, porém,  o idealizador do projeto simplesmente se céga e só consegue pensar em como o projeto vai ser legal por que tem isso e aquilo e zilhões de coisas, coisas que na prática não fazem diferença.

Se concentrar no que é obvio não é a saída, centre-se em criar funcionalidades ao seu projeto que atribuíram valor ao seu projeto, esta são as melhores características de um projeto de sucesso, o mais importante não é atrair visitas, o mais importante é criar recursos e funcionalidades que farão com que o usuário volte. Esta é a grande sacada, visitas é consequência, a volta do visitante garante a sua sustentabilidade e o sucesso perpétuo (até que alguém lance algo que o substitua) do seu projeto.

Acredito que se a sua linha de raciocínio caminhar por este lado, isso só irá aumentar MUITO as chances do seu projeto dar certo. Espero ter contribuído com seu projeto, e quem sabe, sua vida, sua profissão.

[]’s
Igor.

Posts Relacionados: